O que é Mielopatia Degenerativa Canina?

A mielopatia degenerativa canina (MD) é caracterizada por uma paralisia progressiva não dolorosa dos membros posteriores em cães mais velhos. A mielopatia degenerativa canina (MD) foi anteriormente conhecida como radiculomielopatia degenerativa crônica (RMDC) e é uma doença degenerativa progressiva da medula espinhal. Em última análise, é uma doença fatal com consequências devastadoras para os cães e angustiantes para os proprietários.

Qual é a causa da Mielopatia Degenerativa?

A mielopatia degenerativa está associada a uma anormalidade genética em cães. A forma mais comum é devido a uma mutação genética em um gene que codifica superóxido dismutase, uma proteína responsável por destruir os radicais livres no corpo. Os radicais livres são parte do mecanismo de defesa natural, mas tornam-se prejudiciais quando são produzidos em quantidades excessivas causando a morte celular e uma variedade de doenças degenerativas. A mesma mutação genética também pode causar uma forma de doença do neurônio motor em humanos.

Os testes genéticos estão disponíveis através de laboratórios e as diretrizes de melhoramento estão disponíveis para identificar cães com risco de mielopatia degenerativa. Os resultados do teste identificam cães que são “claros”, isto é, o cão que é extremamente improvável de desenvolver MD; Aqueles que são “portadores” e são menos propensos a desenvolver a doença e aqueles que estão em risco de desenvolver MD. É importante entender que este teste genético NÃO confirma mielopatia degenerativa. Além disso, alguns cães que podem ser destinados a desenvolver a doença não a desenvolvem em sua vida e vem a óbito antes de obter mielopatia degenerativa.

Quais raças são afetadas pela Mielopatia Degenerativa?

Anteriormente era considerada uma doença de Pastores Alemães. No entanto, nos últimos anos, a doença tem sido identificada em muitas outras raças e não é mais considerado um problema de raças grandes. Raças como  Bernese, o Borzoi, os Cavalier King Charles spaniels, Golden Retriever, Poodle, Pug, RhodesianRidgeback e pastor deShetland.

Mais informações sobre o teste de DNA para mielopatia degenerativa está disponível através da Fundação Ortopédica para Animais (www.ofa.org)

Como eu posso saber se meu cão tem Mielopatia Degenerativa?

A mielopatia degenerativa geralmente afeta cães a partir dos 5 anos de idade e tipicamente com mais de 8 anos de idade. Seu cão pode começar a demonstrar sinais clínicos iniciais, como uma fraqueza não dolorosa e sutil de um membro traseiro. Isso pode ser mal interpretado como uma doença ortopédica crônica, por exemplo, no quadril ou joelho. Os sinais clínicos podem ser leves e o início insidioso. No entanto, os sinais são progressivos ao longo de meses, levando a ataxiados membros pélvicos e fraqueza. Seu cão também pode arrastar as patas, cruzar os membros traseiros ao caminhar e cair.

Sinais clínicos semelhantes também podem ser vistos em outras doenças da medula espinhal ou neurológicas, portanto, é importante que seu cão passe por um exame abrangente. Durante consulta com o serviço de neurologia um histórico completo será obtido em combinação com as conclusões do seu veterinário e um exame neurológico será realizado que irá fornecer informações vitais para o neurologista e permitir que inicie novas investigações, como exames de sangue,radiografias ou ressonância magnética (RM).

Quais são as consequências a longo prazo da Mielopatia Degenerativa?

Infelizmente, a mielopatia degenerativa progride para paralisia, isto é, uma incapacidade do seu cão para andar e apoiar o seu próprio peso corporal. A progressão da doença resulta em fraqueza, atrofia muscular e, finalmente, incontinência fecal e urinária.

Como é feito o diagnóstico da Mielopatia Degenerativa?

A suspeita de mielopatia degenerativa é baseada nos sinais clínicos, raça e idade e  pela ausência de outras doenças clínicas.

A mielopatia degenerativa é um diagnóstico de exclusão, o que significa que outras doenças com sinais clínicos semelhantes têm de ser excluídas primeiro pelo neurologista. Uma amostra de sangue pode ser utilizada para descartar causas metabólicas da disfunção da medula espinhal. É provável que uma ressonância magnética da medula espinhal seja realizada. Uma amostra de líquido cefalorraquidiano (LCR), que envolve a medula espinhal, também pode ser obtida para permitir a análise e exclusão de outras moléstias.  Esses exames exigem que o seu cão passe por uma anestesia geral.

Cães mais velhos podem ser afetados por mais de um tipo de doença, por exemplo, doença do disco intervertebral, de modo que a presença de outras doenças não exclui a presença de mielopatia degenerativa e vice-versa.

Quais são as opções de tratamento para a Mielopatia Degenerativa?

Infelizmente, a mielopatia degenerativa é uma doença irreversível e progressiva. Embora o prognóstico seja reservado, pois não há tratamentos específicos disponíveis, muitos cães podem obter tartamentos de apoio e manter uma qualidade de vida aceitável por meses a anos. A progressão da doença acabará por resultar no acometimento dos quatro membros, embora em alguns cães isso possa levar muitos anos. Muitos proprietários escolhem um caminho de cuidados paliativos antes de optar pela eutanásia quando seus cães não são mais capazes de andar com os membros posteriores ou ficar em pé e/ou ficam incontinentes (urinário e fecal).